09/11/2010

Experiência- Germinação de Sementes no Claro e no escuro

INTRODUÇÃO
A luz é um recurso ambiental crítico para o desenvolvimento dos vegetais, sendo que variações na quantidade de luz influenciam no desenvolvimento e reprodução vegetal.
veja nesse experimento como acontece o desenvolvimentos de sementes germinadas no claro e no escuro.



MATERIAL NECESSÁRIO

  • copos descartáveis de 300 ml
  • terra orgânica e areia
  • sementes de milho e feijão
  • água
  • caixa grande ou outro recipiente escuro

PASSO 1-

 Faça alguns pequenos furos no fundo dos copos e coloque terra orgânica misturada com areia. Coloque sementes de milho e feijão nos copos e molhe. Deixe um copo com milho e outro com feijão expostos à luz e outros copos com milho e feijão dentro da caixa fechada, ou em um ambiente escuro. Espere alguns dias até que as sementes comecem a germinar e observe o que irá acontecer.

O QUE ACONTECE-
As folhas das plantas de milho e de feijão expostas à luz apresentam coloração verde enquanto que as folhas deixadas no escuro ficam enroladas e com coloração amarelada. O caule das plantas que ficaram no escuro apresentam-se finos e compridos. Diz-se que plantas que apresentam essas duas características estão estioladas.
O estiolamento acontece por falta de luz. Nas folhas das plantas existem moléculas fotorreceptoras que percebem variações na qualidade e intensidade de luz e desencadeiam respostas que culminam no desenvolvimento das plantas . Essas moléculas são pigmentos e entre eles está o fitocromo. Ele absorve luz na banda do vermelho e vermelho extremo (600-700 nm) e possui uma característica importante: é fotorreversível, ou seja, ele pode existir em duas formas que podem mudar de acordo com a intensidade de luz que incide sobre a planta. Então, no escuro o fitocromo está na forma Fv, na qual o pico de absorção é no vermelho, enquanto que ao receber radiação solar a maior parte das moléculas de fitocromo tem pico máximo de absorção no vermelho-extremo e os fitocromos convertem-se para a forma Fve. Essa é a forma fisiologicamente ativa e que influencia na germinação de sementes fotoblásticas positivas, ou seja, que dependem de luz para germinar. O fitocromo também está envolvido no crescimento de caules e folhas, síntese de biomoléculas, como por exemplo a clorofila.
No experimento que realizamos as plantas começaram a crescer na ausência de luz, assim a síntese de clorofila não aconteceu, já que a produção é estimulada quando os fitocromos estão na forma ativa (Fve). Isso justifica então as folhas das plantas germinadas no escuro terem ficado esbranquiçadas. O fitocromo também influencia no desenvolvimento do caule.

PARA SABER MAIS...
O que faz as folhas mudarem de cor no outono?
Durante o outono as folhas passam por diversas mudanças. A medida que os dias encurtam e a temperatura cai surge na base da folha uma camada de separação ou também chamada de camada de abscisão. Isso interrompe o suprimento de açúcar nessas folhas e intensifica a produção de antocianina - nome do pigmento que dá às flores coloração do azul até o vermelho, produz também caroteno (presente em folhas amarelas). Ao mesmo tempo a degradação da clorofila diminui a coloração esverdeada da folha.
Com o passar do tempo a diminuição no suprimento de água e nutrientes aumenta a camada de abscisão, e o ácido péctico se converte em pectina que promove a decomposição da parede celular das células da base da folha e elas caem.


5 comentários:

  1. E aí Pedro. Bom mesmo..... Já pode começar a fazer a experiência.....

    ResponderExcluir
  2. professor tenho que mandar umas fotos pra vc do zoologico vc tem imail me passa eu passei as fotos pro cd depois te dou uma copia xau beijus

    ResponderExcluir
  3. aff professor essa experiência he chata de mais anem

    ResponderExcluir